Archive for the ‘Física e Química A’ Category

posted by | on Blog, Física e Química A | No comments

Enunciado

A queda de um corpo abandonado, próximo da superfície terrestre, foi um dos primeiros movimentos que os sábios da Antiguidade tentaram explicar. Mas só Galileu, já no séc. XVII, estudou experimentalmente o movimento de queda dos graves e o lançamento de projéteis.

Observe com atenção a figura abaixo, que mostra uma esfera a cair em duas situações:

Exercício resolvido Salto para a piscina Dona Sebenta

Na situação I, a esfera, inicialmente em repouso, é colocada no ponto A, deslizando sem atrito sobre a calha, até ao ponto B. No ponto B, abandona a calha, descrevendo um arco de parábola até ao ponto C.

Na situação II, a esfera é abandonada no ponto E, caindo na vertical da mesma altura, h.

Em qualquer das situações, considere o sistema de eixos de referência representado na figura, com origem no solo, desprezando o efeito da resistência do ar.

Considere a situação I representada na figura acima.

Determine a altura H, considerando que as distâncias BD e DC são iguais a 20,0 m.

Apresente todas as etapas de resolução.

Exame Nacional 2007 – 1.ª fase

Resolução:

Dados:

Alcance (x) = 20,0 m
Altura inicial do movimento de queda (y0) = 20,0 m
V0y = 0 m/s (a componente vertical da velocidade é nula no início do lançamento, pois este é realizado na horizontal)
a = -g = -10,0 ms-2 ( a força resultante é a força gravítica o que implica que a aceleração do movimento é a aceleração gravítica, o sinal indica que o vetor aceleração tem sentido descendente).
V0x = ?
No solo: Y =0,00 m

1.ª parte:

Equação do movimento:

[latex]Y = Y_{0} + V_{0y}t + \frac{1}{2} at^{2}[/latex]

[latex]Y=Y_{0}-\frac{1}{2}gt^{2}[/latex]

[latex]Y=20,0-\frac{1}{2}(10,0)t^{2}[/latex]

Determinação do tempo de vôo:

0 = 20,0 – 5,0t2
t = 2,00 s

Determinação da velocidade com que a esfera abandona a calha:

Equação do movimento (movimento retilíneo uniforme):

X = X0 + V0xt

Substituindo pelos dados e pelo tempo de vôo:
20,0 = 0 + V0x (2,00)
V0x = 10 ms-1

2ªparte

Na calha não atuam forças não conservativas, logo podemos afirmar que existe conservação da Energia mecânica:

ΔEm = 0 J, então
EmA = EmB

Como no ponto A a velocidade é nula, nesse ponto a energia está sob a forma potencial gravítica.
No ponto B, a altura é nula, portanto, a energia está sob a forma de energia cinética, então podemos escrever:

[latex]Ep_{A} = Ec_{B}[/latex]

[latex]mgh_A=\frac{1}{2}mv_{B}^{2}[/latex]

[latex]h=\frac{v_{B}^{2}}{2g}[/latex]

 

Substituindo:  [latex]h=\frac{10^{2}}{2\times10}=5\: m[/latex]

Tabela periódica

Dez
2013
05

posted by | on Blog, Física e Química A | No comments

tabela periódica Dona Sebenta

posted by | on Blog, Física e Química A | No comments

Exames Nacionais do Ensino Secundário

Familiarização com o formulário do exame nacional de Física e Química A

Tabela de Constantes

Velocidade de propagação da luz no vácuo c = 3,00 × 108 m s-1
Módulo da aceleração gravítica de um corpo junto à superfície da Terra g = 10 m s-2
Constante de Gravitação Universal G = 6,67 × 10-11 N m2 kg-2
Constante de Avogadro NA = 6,02 × 1023  mol-1
Constante de Stefan-Boltzmann v = 5,67 × 10-8 W m-2 K-4
Produto iónico da água (a 25 °C) Kw = 1,00 × 10-14
Volume molar de um gás (PTN) Vm = 22,4 dm3 mol-1

posted by | on Blog, Física e Química A | No comments

Múltiplos e Submúltiplos Decimais das Unidades SI

Além das unidades de base existem os seus múltiplos e submúltiplos, cujos nomes são formados a partir de um conjunto padrão de prefixos, associados a potências de base dez, como se mostra na tabela.

Prefixo Abreviatura

Fator pelo qual a unidade é multiplicada

tera T 1012 1 000 000 000 000
giga G 109 1 000 000 000
mega M 106 1 000 000
quilo k 103 1 000
hecto h 102 1 00
deca da 101 10
deci d 10-1 0,1
centi c 10-2 0,01
mili m 10-3 0,001
micro μ 10-6 0,00 0001
nano n 10-9 0,00 000 0001
pico p 10-12 0,00 000 000 0001

Tabela: Múltiplos e Submúltiplos decimais SI

posted by | on Blog, Física e Química A | No comments

Introdução

A observação de um fenómeno é incompleta quando dela não resultar uma informação quantitativa. Medir é um processo que nos permite atribuir um número a uma grandeza física como resultado de comparação entre quantidades semelhantes. Uma dessas quantidades é padronizada e adotada como unidade da grandeza em questão.

Sistema Métrico

Durante muito tempo, cada região, possuía os seus próprios padrões de medida. No entanto, com o desenvolvimento do comércio e da indústria, tornou-se necessário adotar um  padrão de medida único para cada grandeza, de maneira a simplificar as trocas de informação e as negociações, para tal, foi adotado um sistema de medição internacional decimalizado – o sistema métrico.

Desde os anos 1960, o Sistema Internacional de Unidades (sigla “SI”) foi reconhecido internacionalmente como sistema métrico padrão.

Sistema Internacional de Unidades

É um sistema de unidades de medida concebido em torno de sete unidades que não são derivadas de outras e dizem-se, por isso, fundamentais.

Grandeza

Unidade

Abreviatura
Comprimento

metro

m

Massa

quilograma

kg

Tempo

segundo

s

Temperatura

kelvin

K

Quantidade de substância

mole

mol

Intensidade da Corrente Elétrica

ampére

A

Intensidade luminosa

candela

cd

Tabela: grandezas e unidades fundamentais do Sistema Internacional

posted by | on Blog, Física e Química A | No comments

Inauguramos agora um espaço onde pretendemos colocar várias informações sobre estas disciplinas (Física e Química A), particularmente exercícios resolvidos relacionados com matérias que estão no momento a ser lecionadas na generalidade dos estabelecimentos escolares.

Começamos então por divulgar os conteúdos programáticos de Física e Química A do 10.º ano (ou 11.º ano) e Física e Química A do 11.º ano (ou 12.º ano).

Bom trabalho!

UA-30127866-1