As últimas publicações

posted by | on Blog | No comments

No início do transato mês de novembro, distribuímos em cerca de 30 000 caixas de correio os panfletos publicitários deste ano dos nossos serviços, indo ao encontro do que tem sido normal nos últimos anos. Estes atrativos flyers foram produzidos e distribuídos pela empresa CODIGODEBARRAS.

folheto A5 2013 Dona Sebenta

posted by | on Blog, Física e Química A | No comments

Múltiplos e Submúltiplos Decimais das Unidades SI

Além das unidades de base existem os seus múltiplos e submúltiplos, cujos nomes são formados a partir de um conjunto padrão de prefixos, associados a potências de base dez, como se mostra na tabela.

Prefixo Abreviatura

Fator pelo qual a unidade é multiplicada

tera T 1012 1 000 000 000 000
giga G 109 1 000 000 000
mega M 106 1 000 000
quilo k 103 1 000
hecto h 102 1 00
deca da 101 10
deci d 10-1 0,1
centi c 10-2 0,01
mili m 10-3 0,001
micro μ 10-6 0,00 0001
nano n 10-9 0,00 000 0001
pico p 10-12 0,00 000 000 0001

Tabela: Múltiplos e Submúltiplos decimais SI

posted by | on Blog, Física e Química A | No comments

Introdução

A observação de um fenómeno é incompleta quando dela não resultar uma informação quantitativa. Medir é um processo que nos permite atribuir um número a uma grandeza física como resultado de comparação entre quantidades semelhantes. Uma dessas quantidades é padronizada e adotada como unidade da grandeza em questão.

Sistema Métrico

Durante muito tempo, cada região, possuía os seus próprios padrões de medida. No entanto, com o desenvolvimento do comércio e da indústria, tornou-se necessário adotar um  padrão de medida único para cada grandeza, de maneira a simplificar as trocas de informação e as negociações, para tal, foi adotado um sistema de medição internacional decimalizado – o sistema métrico.

Desde os anos 1960, o Sistema Internacional de Unidades (sigla “SI”) foi reconhecido internacionalmente como sistema métrico padrão.

Sistema Internacional de Unidades

É um sistema de unidades de medida concebido em torno de sete unidades que não são derivadas de outras e dizem-se, por isso, fundamentais.

Grandeza

Unidade

Abreviatura
Comprimento

metro

m

Massa

quilograma

kg

Tempo

segundo

s

Temperatura

kelvin

K

Quantidade de substância

mole

mol

Intensidade da Corrente Elétrica

ampére

A

Intensidade luminosa

candela

cd

Tabela: grandezas e unidades fundamentais do Sistema Internacional

posted by | on Blog, Física e Química A | No comments

Inauguramos agora um espaço onde pretendemos colocar várias informações sobre estas disciplinas (Física e Química A), particularmente exercícios resolvidos relacionados com matérias que estão no momento a ser lecionadas na generalidade dos estabelecimentos escolares.

Começamos então por divulgar os conteúdos programáticos de Física e Química A do 10.º ano (ou 11.º ano) e Física e Química A do 11.º ano (ou 12.º ano).

Bom trabalho!

posted by | on Blog, Desafios | No comments

Agora propomos um desafio mais simples, um tradicional desafio de lógica.

Um leiteiro tem dois jarros vazios: um jarro de três litros e um jarro de cinco litros. Como pode ele medir exatamente um litro sem perder leite?

posted by | on Blog, Desafios | No comments

Um quadrado grande com n quadrados pequenos de cada lado tem n quadrados em cada diagonal.
Se n é par não há quadrados comuns às duas diagonais e o número total de quadrados nas diagonais é n + n = 2n, um número par.
Se n é ímpar, então há um quadrado comum às duas diagonais e o número total de quadrados nas diagonais é n + n − 1 = 2n − 1, um número ímpar.

1. Uma vez que pintou 101 quadrados de preto, o quadrado grande tem de ter um número ímpar de quadrados de lado. Assim, temos 2n − 1 = 101, donde obtemos n = 51, o que significa que o quadrado grande tem 51 quadrados pequenos de lado. No total, o quadrado grande é formado por 51 x 51 = 2601 quadrados pequenos.
Como dos 2601 quadrados pequenos 101 estão pintados de preto, então existem 2601 – 101 = 2500 quadrados brancos.

2. Usando o mesmo raciocínio, constata-se que o quadrado grande tem 100 quadrados pequenos de lado, num total de 10000. Assim, teria 9800 quadrados brancos.

3. Pelas amostras anteriores, pode-se rapidamente concluir que são os quadrados brancos.

4. Neste caso não haveria diferença entre um número par ou ímpar de quadrados pequenos de lado e o número de quadrados pretos seria sempre igual ao número de quadrados de lado.

posted by | on Blog | No comments

A Dona Sebenta precisa de explicadores para as disciplinas de Resistência de Materiais e para Controlo e Sistemas de Processos do curso do curso de Engenharia e Gestão Industrial, na Universidade Lusíada de Famalicão.

As explicações terão que decorrer na Dona Sebenta de São Vicente.

É possível consultar material das cadeiras aquiaqui, aqui e aqui.

Enviar resposta para:

informacoes@donasebenta.com

914096618

Dona Sebenta de Lamaçães: 914842839 ou 253257944

Dona Sebenta de São Vicente: 918992672 ou 253098210

Muito obrigado.

posted by | on Blog | No comments

Transcrevemos um artigo de opinião de José Precioso e Teresa Lopes que saiu no Diário do Minho de 1/12/2013 sobre a Prova de Avaliação de Conhecimentos e Capacidades (pode consultar o aviso desta prova publicado em Diário da República aqui):

Os professores contratados irão submeter-se a uma prova/exame, supostamente, com a intenção de avaliar as suas competências para o exercício da profissão. A prova é para todos os professores contratados, com mais ou menos tempo de serviço, com mais ou menos habilitações (Há professores que são contratados há vinte anos, há alguns que têm mestrados e outros são doutorados). A não aprovação na prova retira ao professor a hipótese de ser candidato no concurso nacional. O docente que não for aprovado pode repetir a prova quando ela voltar a realizar-se. O professor que, tendo sido aprovado na prova, não vier a desempenhar funções docentes pelo período mínimo de um ano completo de serviço nos cinco anos seguintes tem de realizar nova prova. A prova, na realidade, não é apenas uma, mas sim duas: uma avalia a componente geral, e é igual para todos os docentes, e outra, uma componente específica, diferente para cada grupo de docência. Se o professor não for aprovado na primeira, já nem pode realizar a segunda. Cada professor vai pagar 20 euros para realizar uma prova obrigatória definida pelo MEC. E a questão que se coloca é a seguinte: faz sentido uma prova destas, para professores que já foram avaliados ao longo dos seus cursos, à saída da universidade e durante o seu trajeto profissional? Em minha opinião, com base nos argumentos, de natureza diversificada, que apresentarei de seguida, acho que não faz sentido nenhum.

Argumentos Científicos.

1) Carência de fundamentação técnica, científica ou pedagógica.
A necessidade da realização da prova não emanou de avaliações do processo formativo dos professores. Não se baseou em estudos ou investigações levadas a cabo pelas instituições responsáveis por essa formação. Aliás, para a implementação desta prova não foram sequer consultadas as universidades, os politécnicos nem as escolas superiores de educação e, por isso, o MEC põe em causa a credibilidade dessas instituições. Ninguém duvidará de que se poderá melhorar sempre o processo formativo e avaliativo dos docentes, mas essa melhoria não será conseguida com medidas avulsas não emergentes dos caminhos apontados pela investigação em Ciências da Educação.

2) A prova não tem validade de conteúdo.
A componente comum avalia o raciocínio logico-matemático, a capacidade de resolver “problemas” (que não são verdadeiros problemas), a interpretação, a capacidade de comunicação escrita, entre outras competências que são sem dúvida importantes, mas para todas as profissões, não especificamente para os professores. Por outro lado, a componente específica avaliará (ainda não foi desvendado com exatidão o seu conteúdo!) apenas a componente teórica, deixando para trás a componente mais importante: a prática. Ser competente não é o que sabe, mas sim o que sabe fazer, neste caso o que sabe ensinar. Tal como acontece com os exames nacionais do ensino secundário, o exame não avalia as competências relacionadas com o saber fazer, porque essas só são demonstráveis em contexto de sala de aula. Foi precisamente nesse contexto que todos os professores contratados demonstraram capacidade para a docência, já que todos fizeram estágio, no qual lecionaram aulas supervisionadas e nas quais foram avaliados. É sem dúvida importante avaliar os conhecimentos dos professores numa determinada disciplina, mas mais importante será a sua capacidade para continuar a aprendê-la ao longo da sua carreira. E mais importante ainda é assegurar que ele saiba mobilizar esses conhecimentos para dar boas aulas.

3) É uma prova pontual.
Como tal há sempre um enorme risco de fornecer um resultado pouco fiável, pois o examinando está sujeito a fatores que podem afetar muito negativamente o seu real desempenho, dando uma falsa ideia do seu valor (Que nível atingiria o Cristiano Ronaldo pelo seu desempenho em alguns jogos?). A avaliação deve ser contínua. Utilizar uma prova pontual para decidir o futuro profissional das pessoas é tecnicamente incorreto e pode ser muito injusto. É de realçar o facto de que a primeira prova será realizada no dia 18 de Dezembro, ou seja, no final do primeiro período letivo, por entre burocracias e reuniões de avaliação, tarefas muito desgastantes.

Argumentos relacionados com a Igualdade.

Por que razão apenas os professores contratados, e não todos, têm que prestar provas? Esta não é uma prova de acesso à carreira, porque os professores nela aprovados não conseguirão um vínculo laboral, continuarão a ser trabalhadores precários que realizam o mesmo trabalho que os professores do quadro mas recebem menos para o fazer, situação de desigualdade para a qual a Comissão Europeia já exigiu solução. Esta prova vem reforçar esta discriminação.

Argumentos Económicos.

Quanto custa ao país a realização destas provas? Quanto custa esta prova a um país cujo governo afirma não haver recursos para ter todos os professores necessários nas escolas e que por isso é preciso reduzir os gastos com o pessoal docente e não docente? Quanto custa em termos de tempo, de trabalho, de custos, de logística, etc., seja para os professores que a vão fazer, seja para os que a vão corrigir?

Argumentos relacionados com a saúde.

Conforme já foi referido, esta prova vai realizar-se no final do primeiro período de aulas, altura em que os docentes estão já muito cansados. Os professores corretores perderão imenso tempo e desgastar-se-ão. É muito provável que quer professores avaliadores quer avaliados entrem num período de grande stress e ansiedade, com repercussões na sua saúde mental e física.

A demagogia.

A realização desta prova é inseparável da vontade do governo de reduzir o investimento na educação e, portanto, do objetivo de eliminação de milhares de professores contratados que fazem falta no sistema público de ensino para uma Escola de qualidade.

É um absurdo pôr em causa num dia o passado, o presente e o futuro. Esta situação da prova para os professores contratados é tão insólita e tão intelectualmente insolente, que merece forte indignação e vigorosas formas de a ela resistir.
Não há ensino de qualidade sem professores motivados e valorizados. Desengane-se a sociedade: os maiores prejudicados serão os alunos, pois com professores em período de avaliações e a serem avaliados, os alunos é que sairão a perder!
Nota: Gostava de sublinhar o facto da prova se realizar no dia 18 de Dezembro, uma altura em que os professores estão a terminar as avaliações dos seus alunos. O que quer dizer que ou se preparam para a prova, ou avaliam os alunos. Isto é mesmo uma cretinice, de um homem que não pensa em alunos nem em professores. Só pensa em agradar ao Ministro das finanças. Trata-se de um prolongamento do Ministro das Finanças na Educação.

posted by | on Blog | No comments

A Dona Sebenta precisa de um explicador para a disciplina de Betão Armado do curso de Engenharia Civil da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), disciplina de 3.º ano de licenciatura. Aqui pode consultar os conteúdos programáticos.

A aluna tem urgência e disponibilidade total (pode ter explicações a qualquer hora do dia).

Enviar resposta para:

informacoes@donasebenta.com

914096618

Dona Sebenta de Lamaçães: 914842839 ou 253257944

Dona Sebenta de São Vicente: 918992672 ou 253098210

Muito obrigado.

posted by | on Blog | No comments

No passado mês de novembro, a Dona Sebenta distribuiu panfletos publicitários nas imediações do Colégio Teresiano, nos quais foi utilizada uma imagem das instalações desta instituição escolar sem autorização prévia. Por este facto nos retratamos aqui. Também já tivemos a iniciativa de escrever uma carta à direção da instituição, que entregámos pessoalmente, onde explicámos a situação e, por esta, pedimos desculpa.

UA-30127866-1